Diretrizes para Educação

Diretrizes para Educação

 

Presidência da Universal Assembleia da Santa Aliança Cristã
Conselho Apostólico
Presidência do Conselho Apostólico

CÂNONE Nº 00002, DE 14 DE JANEIRO DE 2014.

Aprova as Diretrizes para a Educação.

O PRESIDENTE DA UNIVERSAL ASSEMBLEIA DA SANTA ALIANÇA CRISTÃ, no exercício do cargo de Presidente do Conselho Apostólico do Sínodo do Primado, no uso das atribuições que lhe confere o art. 20, inciso XI, do Estatuto, e tendo em vista o disposto inciso XII do art. 31 do Estatuto,

Aprova as Diretrizes para a Educação.

  

 

Brasília – 2014

 

Sumário

PREÂMBULO.. 3

Título I – Diretrizes para a Educação na Igreja. 4

Capítulo I – Da Realidade Secular 4

Capítulo II – Da Revelação Bíblica às Nações. 5

Capítulo III – Das Considerações de Ações Educativas. 6

Capítulo IV – Do Que Deve Ser Feito. 7

Título II – Das Disposições Finais. 11

DIRETRIZES PARA A EDUCAÇÃO

Da Universal Assembleia Da Santa Aliança Cristã

  

 

 

PREÂMBULO

O Presidente da Universal Assembléia da Santa Aliança Cristã, aprova, sob a proteção de Deus Pai, do seu Filho Jesus Cristo, e pelo Espírito Santo de Deus, o penhor da Aliança, as Diretrizes para a Educação.

 

Título I

Diretrizes para a Educação na Igreja

 

Capítulo I – Da Realidade Secular

  • A Educação tem sido um dos instrumentos sempre presentes na ação da Igreja cristã. Como instrumento de transformação social, ela é parte essencial do envolvimento da Igreja no processo da implantação do Reino de Deus.
  • A ação educativa da Igreja acontece de diversas maneiras: por meio da família, da igreja local em todas as suas agências (comissões, Escola Dominical, a Universidade, o púlpito, os grupos societários, etc.), das suas instituições de ensino secular, teológico, de ação comunitária e de comunicação.
  • Levando em conta o Evangelho e sua influência sobre todos os aspectos da vida, a ação educativa cristã trouxe muitas contribuições positivas. Especialmente, por meio da igreja local, muitas pessoas foram convertidas e transformadas, modificando suas vidas e seu modo de agir. Por intermédio das instituições, a Igreja buscou a democratização e a liberalização da educação. Suas propostas educacionais eram inovadoras e humanizantes, pois ofereciam um tipo de educação alternativa aos rígidos sistemas governamentais.
  • A ação educativa da Igreja, entretanto, deu muito mais valor às atitudes individualistas em relação à sociedade. O mais importante era uma participação pessoal e isolada. No caso específico das nossas escolas, à medida em que a sociedade foi se desenvolvendo, elas perderam suas características inovadoras e passaram a ser reprodutoras da educação oficial. Esvaziaram-se, perdendo sua percepção de que o Evangelho tem também dimensões políticas e sociais, esquecendo, assim, sua herança cristã. Em razão de suas limitações históricas e culturais, a ação educativa cristã tornou-se prejudicada em dois pontos importantes: primeiro, porque não se identificou plenamente com a cultura nas nações; segundo, por ter apresentado pouca preocupação em descobrir soluções em profundidade para os problemas dos pobres e desvalidos, que são a maioria do povo.
  • Hoje, no mundo, vivemos situações que exigem de nós resposta concreta. Os problemas que afligem o povo, desde a família até os aspectos mais amplos da vida em sociedade, colocam um grande desafio e todos precisamos contribuir para encontrar as soluções que atendam aos verdadeiros interesses da maioria da população. Percebemos que muitas são as forças contrárias à vida. Mas também acreditamos que o Evangelho nos capacita a encontrar aquelas soluções que possibilitam a realização dos verdadeiros interesses do povo. Por isso, nós, cristãs, à luz da Palavra de Deus, examinamos nossa ação educativa presente, dispondo-nos a buscar novas linhas para essa ação.

Capítulo II – Da Revelação Bíblica às Nações

 

  • O Deus da Bíblia — DEUS Pai, DEUS Filho e DEUS Espírito Santo — se revela na história humana como Criador, Senhor, Redentor, Reconciliador e Fortalecedor. Esse Deus Trino, em seu relacionamento com o Ser Humano, cria uma nova comunidade, sinalizada historicamente por meio da vida do povo de Israel e da Igreja. A ação divina sempre nos aponta para a realização plena do Reino de Deus.
  • A esperança deste Reino é vivida e experimentada parcialmente na vida do povo de Deus, na promessa a Abraão (Gn 12.1-4; 13.14-17; 17.8-9; 22.15-18), na experiência do êxodo (Êx 3.7-8; 6.1-9; 13.21-22; 14.15-16; 15.26; 16.4; Dt.7.6-8), na conquista da terra (Js 1.1-9;13-15; 24.14-25; Lv 25.8-55), na pregação dos profetas (Is 49.8- 26; 55.1-13; Ez 36.22-37; Jl 2.12-32, Mq 2.12-13; 4.1-13), e em outras formas. Essa esperança foi manifestada de maneira completa na vida de Jesus de Nazaré (Mc 1.15; Mt 6.9-13; Lc 4.16-21; Mc 14.23-25; 1 Co 11.23-26). Por meio da vitória de Jesus Cristo sobre o pecado e a morte, temos a certeza de que se completou a realização total do Reino de Deus (Mt 28.1-10; 1 Co 15.50-58; Ap. 21.1-8).
  • A ação de Deus realiza-se por meio do Espírito Santo (Jo 16.7-14). O dom do Espírito é a força e o poder que faz brotar entre nós os sinais do Reino de Deus e sua justiça, da nova criação, do novo homem, da nova mulher, da nova sociedade (2 Co 5.5, 14-17). O Espírito nos revela que o Reino de Deus é maior que qualquer instituição ou projeto humano (Mt 12.1-8).
  • Toda a nossa prática deve estar de acordo com o Reino de Deus (Mt 6.33; Jo 14.26) e o Espírito Santo é quem nos mostra se essa concordância existe ou não. O Espírito de Deus age onde, como e quando quer (Jo 3.5-8) a fim de criar as condições para o estabelecimento do Reino. Só quando compreendemos isso é que nos comprometemos com o projeto de Deus. Então percebemos claramente que Deus que dar ao ser humano uma nova vida, à imagem de Jesus Cristo, pela ação e poder do Espírito Santo. Por isso, Ele condena o pecado individual e social, gerador das forças que impedem as pessoas e os grupos de viver plenamente.
  • Sendo assim, a salvação é entendida como resultado da ação de Deus na História e na vida das pessoas e dos povos. Biblicamente, ela encontra a sua maior expressão na salvação da alma, o que conflui para o aperfeiçoamento do homem e da obra de Deus, incluindo a ação de Deus na realidade de cada povo e de cada indivíduo.
  • Isso atinge todos os aspectos da vida: religião, trabalho, família, vizinhança, meios de comunicação, escola, política, lazer, economia (inclusive meios de produção), cultura, segurança e outros. A salvação é o dom sobrenatural de Deus que nos faz filhos de Deus por adoção, o poder de sermos feitos filhos de Deus, a saber a todos quantos creêm no nome do SENHOR JESUS CRISTO, pelo qual somos libertados da lei do pecado e da morte, o que nos leva a servir a Deus e ao próximo, participando de uma vida plena no Reino de Deus, pela comunhão com seu Espírito Santo.
  • A revelação do Reino de Deus em Jesus Cristo é motivo de esperança para todos nós (Rm 8.20-25). O Reino se realiza parcialmente na história (Mt 12.28) por meio de sinais que apontam para a plenitude futura. Ele é o modelo permanente para a ação do povo de Deus (Mt 20.24-28) criando em nós consciência crítica (1 Co 2.14- 16), capaz de desmascarar todos os sistemas de pensamento que se julgam donos exclusivos da verdade. A esperança no Reino permite que participemos de projetos históricos que sejam ferramentas de Cristo, para a pregação do Evangelho, o que leva à libertação da sociedade e do ser humano. Ao mesmo tempo, nos liberta da idéia de que os projetos humanos são auto-suficientes e nos leva a qualquer atitude de endeusamento de instituições.
  • A ação de Deus atinge, transforma e promove as pessoas, na medida em que as desafia a um relacionamento pleno e libertador com Deus e o próximo, para o serviço concreto na comunidade. A natureza do Reino exige compromisso do novo homem e da nova mulher e sua sociedade, na direção da vida abundante da justiça e liberdade oferecidas por Jesus Cristo.
  • Deus se manifesta sempre em atos de amor, fé e justiça, pois ele é amor (1 Jo 4.7-8) e quer alcançar a toda a criação pela fé no SENHOR JESUS CRISTO. Em Cristo, Deus nos ama de tal maneira que dá sua vida por todos, alcançando especialmente os pobres, os oprimidos e marginalizados dos quais assume a defesa com justiça e amor. Seu amor quebra as cadeias da opressão, do pecado, em todas as suas formas. Por seu amor, ele nos liberta do egoísmo para uma vida de comunidade em amor e serviço ao próximo.
  • O Reino de Deus alcança qualquer tipo de pessoa, quaisquer que sejam suas idéias, suas condições sociais, culturais, políticas, econômicas ou religiosas. Alcança igualmente a pessoa como um todo: corpo, mente e espírito, com todas as suas exigências e as leva a libertação daquilo que prende o homem para seus paradigmas mundanos, suas expressões carnais que nada aproveitam.
  • Os atos de Deus, pelos quais ele revela e inaugura o seu Reino, nos ensinam também como devemos agir, e são o critério para a ação missionária da Igreja.

Capítulo III – Das Considerações de Ações Educativas

 

  • Toda a ação educativa se baseia na visão a respeito do mundo e das pessoas. Em nosso caso, a ação educativa é iluminada pela fé, estando por isso sempre relacionada com a reflexão teológica, à luz da revelação bíblica, em confronto com a realidade e com os sistemas mundanos.
  • Até o momento, nossa ação educativa tem sido influenciada por idéias da chamada filosofia liberal, típicas de nossa sociedade, resultando num tipo de educação com características acentuadamente individualistas.
  • Alguns dos elementos fundamentais dessa corrente são:
  • Preocupação individualista com a ascensão social;
  • Acentuação do espírito de competição;
  • Aceitação do utilitarismo como norma de vida;
  • Colocação do lucro como base das relações econômicas.
  • Nenhum desses elementos está de acordo com as bases bíblico-teológicas sobre as quais se deve fundamentar a prática educativa cristã. A Educação, na perspectiva cristã, “como parte da Missão, é o processo que visa a oferecer à pessoa e comunidade uma compreensão da vida e da sociedade, comprometida com uma prática libertadora, recriando a vida e a sociedade, segundo o modelo de Jesus Cristo, e questionando os sistemas de dominações e morte, à luz do Reino de Deus” (Plano Para a Obra da Igreja).
  • Por isso, a Igreja precisou definir novas diretrizes educacionais, voltadas para a libertação das pessoas e da sociedade. A partir dessas diretrizes, a Igreja desenvolverá sua prática educativa, de tal modo que os indivíduos e os grupos:
  • busquem o Reino de Deus e a sua justiça em primeiro lugar;
  • desenvolvam consciência crítica da realidade;
  • compreendam que o interesse social é mais importante que o individual;
  • exercitem o senso e a prática da justiça e solidariedade;
  • alcancem a sua realização como fruto do esforço comum;
  • tomem consciência de que todos têm direito de participar de modo justo dos frutos do trabalho;
  • reconheçam que, dentro de uma perspectiva cristã, útil é aquilo que tem valor social.

  

Capítulo IV – Do Que Deve Ser Feito

  • A ação educativa da Igreja tem que estar mais firmemente ligada aos objetivos da Missão de Deus, visando à implantação do seu Reino. Além disso, nossos esforços educacionais de todo tipo têm também que atender às principais necessidades do povo em qualquer nação ou língua. Por isso, é preciso que busquemos novos caminhos, que moldem o povo cristão com uma só unidade da irmandade em Jesus Cristo.
  • A busca desses novos caminhos deve procurar a superação do modelo educacional vigente. Não se pode mais adotar um modelo educacional elitista e separatista, que discrimina e reproduz a situação atual do povo nas nações, impedindo transformações sociais substanciais. Também não devemos adotar dentro da sã dourina a imposição da cultura dos poderosos desde século, impedindo a maior participação das pessoas e aumentando cada vez mais seu nível de dependência.
  • Uma tomada de decisão nesse sentido não deve ser entendida como simples reação às falhas que encontramos na ação educativa, mas como uma atitude necessária de uma Igreja que deseja ser serva fiel, participando ativamente na construção do Reino de Deus.
  • A partir dessas constatações, declaramos que a ação educativa da IGREJA realizada por todas as suas agências, isto é, a Escola Dominical, comissões, púlpito, grupos societários, instituições de ensino secular, teológico, de ação comunitária, etc., terá por objetivos:
  • Dar continuidade, sob a ação do Espírito Santo, ao processo educativo realizado por Deus em Cristo, que promove a transformação da pessoa em nova criatura e do mundo em novo mundo, na perspectiva do Reino de Deus;
  • Motivar educadores e educandos a se tornarem agentes positivos de libertação, com uma prática educativa de acordo com o Evangelho;
  • Confrontar permanentemente as filosofias vigentes com o Evangelho;
  • Denunciar todo e qualquer tipo de discriminação ou dominação que marginalize a pessoa humana e anunciar a libertação em Jesus Cristo;
  • Respeitar e valorizar a cultura dos participantes do processo educativo, na medida em que estejam de acordo com os valores do Reino de Deus;
  • Apoiar os movimentos que visem à libertação dos oprimidos dentro do espírito do Evangelho libertador de Jesus Cristo;
  • Despertar consciência crítica e sensibilizada para o problema da justiça, num mundo marcado pela opressão.
  • Com base nesses posicionamentos, ficam estabelecidas as seguintes diretrizes gerais:
  • Toda e qualquer iniciativa educacional da Igreja, especialmente a organização de novos cursos e projetos, levará sempre em consideração os objetivos da Missão, de acordo com os documentos oficiais da Igreja e as necessidades locais;
  • Quanto aos cursos, currículos e programas já existentes, as agências da Igreja se empenharão para que, no menor prazo possível, estejam de acordo com as orientações estabelecidas neste documento;
  • Será buscado um estreito relacionamento com as comunidades em que nossos trabalhos estão localizados, compartilhando com elas os seus problemas;
  • Em todos os lugares em que a Igreja atua serão colocadas à disposição da comunidade, das organizações de classe e das entidades comunitárias, as instalações de que dispomos, tanto para a realização de programas, quanto para a discussão de temas de interesse comunitário, de acordo com os objetivos da Missão;
  • As igrejas e instituições devem atuar também por meio de programas de educação popular, para isso, destinando recursos financeiros específicos;
  • Toda a ação educativa da Igreja deverá proporcionar aos participantes condições para que se libertem das injustiças e males sociais que se manifestam na organização da sociedade, tais como: a deterioração das relações na família e entre as pessoas, a deturpação do sexo, o problema dos menores, dos idosos, dos marginalizados, a opressão da mulher, a prostituição, o racismo, a violência, o êxodo rural resultante do mau uso da terra e da exploração dos trabalhadores do campo, o problema da ocupação desumanizante do solo urbano e rural, o problema dos toxicômanos, dos alcoólatras, e outros;
  • A educação da criança deverá merecer especial atenção, notadamente na faixa do pré-escolar (de 0 a 6 anos), e de preferência voltada para os setores mais pobres da população;
  • Visando à unidade educacional da Igreja em sua missão, as igrejas locais e instituições se esforçarão no sentido de uma ação conjunta em seus projetos educacionais;
  • A Igreja e suas instituições estabelecerão programas destinados à formação de pessoas capacitadas para todas as tarefas ligadas à ação educacional e social;
  • Todas as agências de educação da IGREJA, tanto igreja local quanto instituição, procurarão orientar os participantes de seu trabalho sobre as diretrizes ora adotadas, empenhando-se igualmente para que elas sejam vividas na prática.

Seção I – No caso específico da Educação Secular

  • A Igreja entende a Educação Secular que promove como o “processo que oferece formação melhor qualificada nas suas diversas fases, possibilitando às pessoas o desenvolvimento de uma consciência crítica e seu comprometimento com a transformação da sociedade, segundo a missão de Jesus Cristo”( Plano Para a Obra da Igreja). Por isso:
  • O ensino formal praticado em nossas instituições não se limitará a preparar para o mercado de trabalho, mas, além disso, igualmente, deverá despertar uma percepção crítica dos problemas da sociedade.
  • As instituições superarão a simples transmissão repetitiva de conhecimentos, buscando a criação de novas expressões do saber, a partir da realidade e expectativa do povo.
  • Terá prioridade a existência de pastorais escolares que atuem como consciência crítica das instituições, em todos os seus aspectos, exercendo suas funções profética e sacerdotal dentro e fora delas.
  • Toda a prática das instituições se caracterizará por um contínuo aperfeiçoamento no sentido de democratizar cada vez mais as decisões.
  • Os órgãos competentes farão com que essas diretrizes sejam cumpridas em suas instituições.
  • As instituições participarão em projetos da Igreja compatíveis com suas finalidades estatutárias, atendendo aos fins da Missão.
  • O ensino das ciências deve ser ministrado com uma visão crítica do que tais doutrinas, ensinos e empirismos desenvolveram na história da sociedade e as consequências da má utilização desse conhecimento, de forma que todo o talento e conhecimento seja utilizado com o pensamento cristão de solidariedade e de transformação pelo doação do pessoal ao comunitário, construindo nações socialmente justas e povos cuja percepção da realidade pode analisar e contemplar todas as coisas sem no entanto se deixar subordinar por elas.

Seção II – No caso específico da Educação Teológica

  • A Educação Teológica é o processo que visa à compreensão da história em confronto com a realidade do Reino de Deus, à luz da Bíblia, e da doutrina cristã reconhecida e aceita pelo cristianismo histórico como instrumentos de reflexão e ação para capacitar o povo de Deus, membros irmãos e sacerdotes, para a vida e missão, numa dimensão profética (Plano para a Obra da Igreja).
  • Os currículos serão fundamentados nas bases teológicas reconhecidas pela Igreja cristã, como identificadas no presente documento, com vistas a mudanças na metodologia do trabalho teológico, a partir das necessidades do povo.
  • No recrutamento e seleção dos professores de Teologia se observará não apenas a sua adequada qualificação aos cursos a serem ministrados mas, também, a sua vivência pastoral e a consciência que tenham de que a tarefa teológica deve ser feita a partir da revelação, no contexto do país e tendo em vista o atendimento de suas necessidades.
  • O processo de recrutamento dos que aspiram ao pastorado, incluirá, sistematicamente, um programa pré-teológico de estudos, que os iniciará no processo de reflexão sobre as preocupações da Igreja, como definidas nos seus documentos.
  • A Educação Teológica será desenvolvida observando-se os seguintes relacionamentos:
  • Relacionamento com o contexto social: a metodologia do trabalho teológico, em todos os níveis, terá relação direta com a realidade da sociedade em cada episcopado, na perspectiva do oprimido, visando ao processo de sua libertação.
  • Relacionamento com outras áreas do conhecimento humano: o trabalho teológico deverá ser desenvolvido de uma forma integrada a outras áreas do conhecimento, incluindo tanto as ciências humanas como as áreas de tecnologia, de ciências exatas, de saúde, ciências aplicadas e outras.
  • Relacionamento entre as instituições de ensino: o trabalho teológico deverá ser realizado de maneira integrada, de tal modo que todo o ensino teológico na Igreja promova a sua unidade de pensamento e ação naquilo que seja fundamental.
  • Relacionamento ecumênico: a Educação Teológica será enriquecida pelo contato com outras Igrejas cristãs, em todos os episcopados.
  • As instituições de ensino teológico oferecerão cursos de formação e atualização teológica para membros irmãs e membros sacerdotes, com a finalidade de os ajudar a reexaminar continuamente seu ministério e serviço, desde a perspectiva do Reino de Deus.
  • As instituições de ensino teológico desenvolverão esforços na pesquisa junto à igreja local e outras fontes para a renovação litúrgica, levando em conta as características culturais de cada nação.
  • Os órgãos competentes estudarão uma maneira de uniformizar o tratamento dos seminaristas, pelas regiões eclesiásticas, em termos de ajuda financeira (bolsas), apoio e requisitos dos estudantes para ingresso e continuação dos estudos na Faculdade de Teologia e Seminários.

Seção III – No caso específico de Educação Cristã

 A Educação Cristã é um processo dinâmico para transformação, libertação e capacitação da pessoa e da comunidade. Ela se dá na caminhada da fé e se desenvolve no confronto da realidade histórica com o Reino de Deus, num comprometimento com a Missão de Deus no mundo, sob a ação do Espírito Santo, que revela Jesus Cristo, segundo as Escrituras (Plano para a Obra da Igreja).

  • O currículo de Educação Cristã na Escola Dominical será fundamentado na Bíblia e tratará de relacionar os relatos bíblicos com a realidade na qual a Igreja se encontra.
  • As secretarias executivas regionais de Educação Cristã estabelecerão cursos e programas, com vistas à formação e aperfeiçoamento dos obreiros da Escola Dominical, para que desenvolvam uma metodologia de ensino compatível com as diretrizes contidas neste documento.
  • A Igreja retomará especial cuidado para com a criança e o adolescente, redefinindo a organização destes grupos e provendo material educativo adequado para essas idades.
  • Os grupos societários desenvolverão estudos e programas que auxiliem os seus participantes a compreender e viver a ação libertadora do Evangelho e serão municiados pela Igreja com literatura e sugestões apropriadas para alcançar este objetivo.
  • Tendo em vista o fato de que a liturgia é um processo educativo, os presbíteros pastores e obreiros irmãos serão incentivados a descobrir novas formas litúrgicas que promovam a educação do povo de Deus.
  • O Conselho Apostólico estabelecerá programas mínimos de educação religiosa para as instituições cristãs de ensino secular, em todos os níveis, levando em conta as diretrizes aqui estabelecidas.
  • O Conselho Apostólico providenciará programas mínimos de educação religiosa a serem desenvolvidos, quando isto for possível, em escolas públicas.
  • O Conselho Apostólico providenciará material educativo a ser utilizado na igreja local e capacitação do catecúmeno, novo convertido, pais e testemunhas quanto ao batismo e noivos, quanto ao casamento.
  • O Conselho Apostólico providenciará material educativo a ser utilizado na igreja local visando a conscientizar a família acerca de seu papel à luz da Missão.
  • As instituições educacionais da Igreja, de qualquer nível e grau, são regidas pelas Diretrizes para a Educação da Igreja, devendo toda a sua vida administrativa e acadêmica ser planejada e desenvolvida segundo seus ditames.

Título II

Das Disposições Finais

  • As Diretrizes para a Educação da Universal Assembléia da Santa Aliança Cristã entram em vigor na data da sua aprovação.

Presbítero Jailson Mário dos Santos Pereira, servo de Deus e apóstolo de Jesus Cristo

Presidente da Universal Assembléia da Santa Aliança Cristã