Plano para a Obra

Plano para a Obra

 

 

Presidência da Universal Assembleia da Santa Aliança Cristã
Conselho Apostólico
Presidência do Conselho Apostólico

 

CÂNONE Nº 00003, DE 15 DE JANEIRO DE 2014.

Aprova o Plano para a Obra da Igreja.

  

O PRESIDENTE DA UNIVERSAL ASSEMBLÉIA DA SANTA ALIANÇA CRISTÃ, no exercício do cargo de Presidente do Conselho Apostólico do Sínodo do Primado, no uso das atribuições que lhe confere o art. 20, inciso XI, do Estatuto, e tendo em vista o disposto inciso XII do art. 31 do Estatuto,

 

Aprova o Plano para a Obra da Igreja.

 

 

Brasília – 2014

 

Sumário

PREÂMBULO.. 3

Título I – Do Plano para a Obra da Igreja. 4

Capítulo I – Da Inspiração e Adoração do Plano. 4

Capítulo II – Herança de Cristo. 4

Capítulo III – Entendendo a Vontade de Deus. 6

Título II – Plano para as Áreas de Vida e Trabalho. 11

Título III – Das Disposições Finais. 20

 

 

PLANO PARA A OBRA DA IGREJA

Da Universal Assembleia Da Santa Aliança Cristã

  

 

 

PREÂMBULO

O Presidente da Universal Assembleia da Santa Aliança Cristã, aprova, sob a proteção de Deus Pai, do seu Filho Jesus Cristo, e pelo Espírito Santo de Deus, o penhor da Aliança, o Plano para a Obra da Igreja.

Título I – Do Plano para a Obra da Igreja

Capítulo I – Da Inspiração e Adoração do Plano

  • O “Plano para a Obra da Igreja” inspira a vida e a programação da Igreja, com linhas gerais que deverão orientar toda a ação da Igreja nos próximos anos, enquanto necessário, devendo ser avaliadas periodicamente em Regimento Interno.
  • Missão e santificação só podem gerar a unidade. Deveremos poder encontrar a unidade naquilo que é básico e essencial para que possamos viver a diversidade dos dons que DEUS nos concede.
  • A adoção séria deste Plano nos levará, necessariamente, ao crescimento em todas as dimensões de nossa vida de serviço e culto. O novo surto de crescimento que experimentamos será acelerado na medida em que fizermos convergir todos os nossos esforços movidos por um plano comum. Movidos por esta esperança, apresentamos à Igreja o Plano que DEUS nos inspirou estudos, tentativas concretas de mudança, e reexame de nossa tradição.

Capítulo II – Herança de Cristo

  • A Igreja baseada nas Sagradas Escrituras, aceita completa e totalmente as doutrinas fundamentais da Fé Cristã, enunciadas nos Credos promulgados pelos Concílios da Igreja do primeiro século da Era Cristã. Essa aceitação se traduz na vida do crente na prática cotidiana do amor a DEUS e ao próximo (Jo 13.34-35; Dt 6.5), como resposta à graça de DEUS revelada em Jesus Cristo. Ela se nutre em autêntica vida de adoração ao Senhor e de serviço ao próximo (Jo 4.41-44). De forma alguma a Igreja confunde a aceitação das doutrinas históricas do cristianismo com as atitudes doutrinárias intelectualistas e racionalistas, nem com a defesa intransigente, fanática e desamorosa da ortodoxia doutrinária. “No essencial, unidade; no não essencial; liberdade; em tudo, o amor” (Jo 17.20-23, Ef 2.14-16).
  • A Igreja afirma que a vida cristã comunitária e pessoal deve ser a expressão verdadeira da experiência pessoal do crente com Jesus Cristo, como Senhor e Salvador (Ef 3.14-19). Pelo testemunho interno do Espírito, sabemos que somos feitos filhos de DEUS, pela fé no Cristo que nos salva, nos liberta, nos reconcilia, e nos oferece vida abundante e eterna ( Rm 8.1-2, 14-16; Jo 10.10; 2 Co 5.18-20).
  • A Igreja proclama que o poder do ESPÍRITO SANTO DE DEUS é fundamental para a vida da comunidade da fé, tanto na piedade pessoal como no testemunho social (Jo 14.16-17). Somente sob a orientação do ESPÍRITO SANTO DE DEUS, a Igreja pode responder aos imperativos e exigências do Evangelho, transformando-se em meio de graça significativo e relevante às necessidades do homem (Jo 16.7-11; At 1.8; 4.18- 20).
  • A Igreja requer vida de disciplina pessoal e comunitária, expressão do amor a DEUS e ao próximo, a fim de que a resposta humana à graça divina se manifeste através do compromisso contínuo e paciente do crente com o crescimento em santidade (1 Pe 1.22; Tt 2.11-15). A santificação do cristão e da Igreja em direção à perfeição cristã é proclamada pela Igreja em termos de amor a DEUS e ao próximo (Lc 11.25-28) e se concretiza tanto em atos de piedade (participação na Ceia do Senhor, leitura devocional da Bíblia, prática da oração, do jejum, participação nos cultos, etc., At 2.42-47) como em atos de misericórdia (solidariedade ativa junto aos pobres, necessitados e marginalizados sociais, At 2.42-47). A Igreja crê que tornar o cristianismo uma religião solitária, é, na verdade, destruí-lo ou desviar-se Dele (Lc 4.16- 19, 6.20-21; Rm 14.7-8).
  • A Igreja caracteriza-se por sua paixão evangelística, procurando proclamar as boas-novas de salvação a todas as pessoas, de tal sorte que o amor e a misericórdia de DEUS, revelados em Jesus Cristo, sejam proclamados e aceitos por todos os homens e mulheres (1 Co 1.22-24). No poder do ESPÍRITO SANTO DE DEUS, por meio do testemunho e do serviço prestados pela Igreja ao mundo em nome de DEUS, da maneira mais abrangente e persuasiva possíveis, os crentes procuram anunciar a Cristo como Senhor e Salvador (I Co 9.16; Fp 1.12-14; At 7.55-58).
  • A Igreja demonstra permanente compromisso com o bem-estar da pessoa total, não só espiritual, mas também seus aspectos sociais (Lc 4.16-20). Este compromisso é parte integrante de sua experiência de santificação e se constitui em expressão convicta do seu crescimento na graça e no amor de DEUS. De modo especial, os cristãos se preocupam com a situação de penúria e miséria dos pobres. Combatem tenazmente os problemas sociais que oprimem os povos e as sociedades onde DEUS os tem colocado, denunciando as causas sociais, políticas, econômicas e morais que determinam a miséria e a exploração e anunciando a libertação que o Evangelho de Jesus Cristo oferece às vítimas da opressão. Esta compreensão abrangente da salvação faz com que os cristãos se comprometam com as lutas que visam a eliminar a pobreza, a exploração e toda a forma de discriminação (Tg 5.1-6; Gl 5.1).
  • A Igreja procura desenvolver de forma adequada a doutrina do sacerdócio universal de todos os crentes (1 Pe 2.9). Reconhece que todo o povo de DEUS é chamado a desempenhar com eficácia na Igreja e no mundo, ministérios pelos quais DEUS realiza o seu propósito, ministérios essenciais para a evangelização do mundo, para a assistência, nutrição e capacitação dos crentes, para o serviço e o testemunho no momento histórico em que DEUS os vocaciona (1 Co 12.7-11).
  • A Igreja afirma que DEUS PAI sujeitou todas as coisas aos pés do seu Filho Jesus Cristo, e sobre todas as coisas o constituiu como cabeça da igreja, que é o seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos. Essa a é característica fundamental e básica para a sua existência, tanto como movimento espiritual, quanto como instituição eclesiástica. (Ef 1.22-23). DEUS lhe deu essa forma de articulação unificadora para cumprir a vocação histórica de “reformar a nação, particularmente a Igreja, e espalhar a santidade bíblica sobre toda a terra” (At 17.4-6; Jo 17.17-19).
  • A Igreja afirma que a vivência e a fé do cristão e da Igreja se fundamentam na revelação e ação da graça divina. A graça divina é o fundamento de toda a revelação e ação histórica de DEUS e se manifesta de forma preveniente, justificadora e santificadora, na vida do crente e da Igreja, pela fé pessoal e comunitária (Tt 2.11-15). A vivência cristã se fundamenta na fé (Rm 1.16-17). Fé obediente, amorosa e ativa, centralizada na ação histórica de DEUS, na pessoa, vida e obra de Cristo e na ação atualizadora do ESPÍRITO SANTO DE DEUS (Hb 1.1-3, 12.1-2). A Palavra de DEUS, testemunha da ação e da revelação de DEUS, é elemento básico para o despertamento e a nutrição da fé ( 2 Tm 3.15; Lc 24.25-27; Gl 3.22).
  • A Igreja afirma que antes dela ser uma organização, instituição ou grupo social, é um corpo, um organismo vivo, uma comunidade de Cristo (Ef 1.22-23; 1 Co 12.27). Sua vivência deve ser expressa como uma comunidade de fé, adoração, crescimento, testemunho, amor, apoio e serviço (At 2.42-47; Rm 12.9-21). Nessa comunidade, são despertados, alimentados, crescem, compartilham, vivem juntos, expressam sua vivência e fé, edificam o Corpo de Cristo, são equipados para o serviço e o expressam junto das pessoas e das comunidades (1 Co 12.16-26; 2 Co 9.12-14; Ef 4.11-16).
  • A Igreja afirma o valor da prática e da experiência da fé cristã. Essa prática e experiência são confirmadas pela Palavra de DEUS, pela doutrina da Igreja, pela razão e pela comunidade da Igreja (At 16.10). A prática da fé é característica básica do cristianismo, pois ele é um “cristianismo prático”. Esse cristianismo prático tem como fonte de conhecimento de DEUS a natureza, a razão, a tradição, a experiência cristã, a vivência na comunidade da fé, sempre confrontadas pelo testemunho bíblico, que é o elemento básico da revelação divina, interpretada a partir de Cristo (2 Tm 3.14-17; 2 Ts 2.13-15; 1 Co 15.1-4).

Capítulo III – Entendendo a Vontade de Deus

  • A Missão de DEUS no mundo é salvar o homem do inferno e da segunda morte, a saber o lago de fogo e enxofre, de forma que todo aquele que Nele crê não pereça mas receba a vida eterna. Participar da obra de DEUS, pelo ESPÍRITO SANTO DE DEUS, constitui-se na tarefa evangelizante da Igreja.
  • O Reino de DEUS é o alvo do DEUS Trino e significa o surgimento do novo mundo, da nova vida, do perfeito amor, da justiça plena, da autêntica liberdade e da completa paz. Tudo isso está introduzido em nós e no mundo como semente que o ESPÍRITO SANTO DE DEUS está fazendo brotar, como lemos em Rm 8.23: “Nós temos as primícias do Espírito, aguardando a adoção de filhos”, ou ainda em 2 Co 7.21-22: “Mas aquele que nos confirma convosco em Cristo, e nos ungiu, é DEUS, que também nos selou e nos deu o penhor do Espírito em nossos corações”.
  • Jesus iniciou a sua Missão no mundo com a pregação: “O tempo está cumprido e o Reino de DEUS está próximo, arrependei-vos e crede no Evangelho”. (Mc 1.15)
  • O propósito de DEUS é reconciliar consigo mesmo o ser humano, libertando-o de todas as coisas que o escravizam, concedendo-lhe uma nova vida à imagem de Jesus Cristo, através da ação e poder do ESPÍRITO SANTO DE DEUS, a fim de que, como Igreja, constitua neste mundo e neste momento histórico, sinais concretos do Reino de DEUS.
  • A missão é de DEUS – PAI, Filho e ESPÍRITO SANTO DE DEUS. O objetivo é construir o Reino de DEUS. O seu amor é a força motivadora de sua presença e ação. “Ele trabalha até agora” (Mt 28.19; Jo 3.16):
  • Criando as pessoas e comunidades, dando-lhes condições para viver, trabalhar e construir suas vidas como pessoas e como comunidades (Gn 1.26-31; Gn 2; 2 Co 5.17);
  • Ajudando as pessoas e comunidades a superar seus conflitos e pecados, trabalhando juntos e participando da vida abundante, concedida em Cristo por meio da reconciliação (Gn 3.8-21; Gn 12.1-13; Jo 10.10; 2 Co 5.19);
  • Possibilitando as pessoas e comunidades a se encontrarem como irmãos e irmãs, reconhecendo-o e aceitando-o como PAI (Mt 6.8-10);
  • Abrindo, pela ação do ESPÍRITO SANTO DE DEUS, novas possibilidades e fontes de vida (At 2.17-21; I Co 12.4-11; Rm 12.6-8);
  • Sarando as pessoas e as instituições, podando delas o que não convém, por meio de seu juízo e graça (Ef 2.11-21; Fp 4.2-9; Jo 15);
  • Envolvendo todas as pessoas e comunidades e todas as coisas neste seu trabalho.
  • Na História e especialmente na do povo de Israel, DEUS revela a sua ação salvadora a favor das pessoas e do mundo. A concretização plena desta ação deu-se na encarnação de Jesus Cristo. Ele assumiu as limitações humanas, trouxe as boas-novas do Reino de DEUS, confrontou os poderes do mal, do sofrimento e da morte, vencendo-os em sua ressurreição (Hb 1.1-14).
  • Na construção da vida e na realização desta obra, as pessoas e comunidades sofrem com o domínio das forças satânicas e do pecado. O pecado e o domínio dessas forças manifestam-se de diferentes maneiras em pessoas, grupos e instituições impedindo a vida abundante e contrariando a vontade de DEUS.
  • Por meio de Jesus Cristo, sua vida, trabalho e mensagem, sua morte, ressurreição e ação redentora podemos compreender a ação de DEUS no passado; as oportunidades à esperança da vida plena no futuro que Ele nos oferece no presente, e a possibilidade de se participar na construção deste futuro agora. É de Jesus Cristo que vem o poder para esta participação.
  • A Igreja, fiel a Jesus Cristo, é sinal e testemunha do Filho de DEUS. É chamada a sair de si mesma e se envolver no trabalho de DEUS, na construção do novo ser humano e do Reino de DEUS. Assim, ela realiza sua tarefa de evangelização (Hb 2.18).
  • A Igreja é sensível à ação do ESPÍRITO SANTO DE DEUS, reconhece-se chamada e enviada a trabalhar com DEUS neste tempo e lugar onde ela está. Neste tempo, fazemos uma escolha clara pela vida, manifesta em Jesus Cristo, em oposição à morte e a todas as forças que a produzem.

Capítulo IV – Necessidades e Oportunidades

  • Na realização do trabalho de DEUS, a Igreja reconhece grandes necessidades que são também desafios da missão:
  • Há necessidade de estar em comunhão com DEUS, ouvir e atender a sua voz e de se fortalecer no poder de DEUS ( I Jo 1.1-4; 1 Co 11.17-34).
  • Há necessidade de conhecer a Igreja, especialmente a igreja local, descobrir suas possibilidades e seus dons e valorizar seus ministérios para alcançar a participação total do povo na missão de DEUS ( 1 Co 12.1-30; Ef 4.5).
  • Há necessidade de conhecer o bairro, a cidade, o campo, o país, o continente, o mundo e os acontecimentos que os envolvem, porque e como ocorrem e suas conseqüências. Isto inclui conhecer a maneira como as pessoas vivem e se organizam, são governadas e participam politicamente, e como isto pode ajudar ou atrapalhar a manifestação da vida abundante.
  • Há necessidade de apoiar todas as iniciativas que preservem e valorizem a vida humana (1 Sm 2.1-10; Lc 1.46-55).
  • Há necessidade de denunciar por palavras e pela prática, todas as forças e instrumentos que oprimem e destroem a vida humana (Sl 82, 42.1-9, 49.1- 6,50.13-53.12; Is 1.17, 58.6-7, 61.1-3, 65.20-23; Tg 5.1-6).
  • Há necessidade de entender e unir no trabalho, de modo positivo, o Primado, os Episcopados e os Presbiteratos;
  • Há necessidade de entender e superar as tensões existentes entre pastores e leigos, liderança local e demais membros, liderança em todos os níveis. Isso deve dar-se por meio de uma confrontação que expresse amor e justiça, unindo a todos num trabalho participativo na missão ( 1 Co 3.4-11, 3.21-23, 12.4-11).
  • A missão acontece quando a Igreja sai de si mesma, envolve-se com a comunidade e se torna instrumento da novidade do Reino de DEUS (Mt 4.16-24; 28.18-20). À luz do conhecimento da Palavra de DEUS, em confronto com a realidade, discernindo os sinais do tempo presente, a Igreja trabalha, assumindo os dramas e esperanças do nosso povo (1 Co 5.17-21; Ap 21.1-8; Is 43.14-21; 2 Tm 2.9-10).

Capítulo V – Do Trabalho Na Missão De Deus 

  • É trabalhar para o Senhor do Reino num mundo espremido pelas forças do pecado e da morte, participando, como comunidade, com dons e serviços para o nascer da vida (Jr 1.4-10; Fp 1.18-26, 3.10-11; 2 Tm 1.10; I Jo 3.14);
  • É somar esforços com outras pessoas e grupos que também trabalham na promoção da vida (Mc 9.38-41 ; At 10.28, 15.8-11).

Capítulo VI – Como Participar Na Missão De Deus?

  • A Igreja participa na missão e cresce em santificação, o que acontece quando produz atos de piedade e obras de misericórdia. Os atos de piedade são, principalmente, o culto e o cultivo da piedade pessoal e comunitária e as obras de misericórdia são, preferencialmente, o trabalho que valoriza e realiza a pessoa enquanto constrói, em amor e justiça, a nova comunidade e o Reino de DEUS. Assim, a Igreja participa na Missão e cresce quando:
  • Cultua a Deus no oferecimento de nós mesmos, em comunidade, na adoração, no louvor, na confissão, na afirmação da fé, na consagração e no compartilhar de nossas experiências e dons (Rm 12.1-2; 1 Co 14.26);
  • Cultua a Deus no recebimento da palavra de renovação, de alimento, de fortalecimento mútuo e do poder de DEUS ( Cl 3.16; Is 1.6, 2.13).
  • Recebemos de DEUS a vida e a ofertamos novamente a DEUS. A celebração da vida por meio de Jesus Cristo se torna visível no seu início pelo batismo e sua continuidade, pela proclamação da Palavra e da Ceia do Senhor, que são atos centrais do culto e nele celebramos a vitória do Reino de DEUS sobre as forças do mal e da morte (1 Co 11.26; Lc 22.18; Mt 26.29; Jo 14.16-18, 25-27; Ap 1).
  • O culto deve ser amplamente participativo, em que a comunidade tenha vez e voz; ser inserido no dia-a-dia da comunidade na qual a Igreja está localizada; expressar as angústias, lutas, alegrias e esperanças do povo, ofertando-as a DEUS (1 Co 14.26; Cl 3.16-17; Sl 150; Ef 5.19-21; Mt 6; Sl 71; Rm 8.15-39; Ef 3.14-17, 20-21).
  • O culto continua por meio da oração e meditação pessoais, da família e de grupos. Ele se completa no oferecimento da vida em atos de amor e justiça (Ef 6.10-20; Dt 6.4-9; Sl 15).
  • Ser uma oportunidade para “apelos” a todos os homens e mulheres, para aceitarem a Jesus Cristo como Salvador.

Seção I – Aprende em comunidade

  • A Igreja participa na missão de DEUS, educando-se a partir:
  • Da vida prática, aprendendo na experiência uns com os outros, corrigindo-se e descobrindo a ação de DEUS na vida de cada dia;
  • Do compartilhamento com outras pessoas e grupos que preservam e valorizam a vida (At 2.42-47);
  • Da Palavra de DEUS, buscando em conjunto, no confronto com os acontecimentos, alternativas que renovam a vida (Mt 7.24-27; Jo 5.39; 15.3, 14; 20; At 17.11-13);
  • Da Doutrina da Igreja, descobrindo o valor histórico e atualizado de suas expressões para a nossa situação.

  

Seção II – Trabalha

  • O trabalho é algo próprio do ser humano porque é próprio do Criador. O trabalho pode ser experiência de sofrimento ou de libertação. Nossa participação no Reino de DEUS renova a nossa compreensão acerca do trabalho. Seus resultados e seus benefícios tornam-se fontes de realização da vida pessoal e comunitária (Jo 5.17; 2 Tm 2.6; 1 Co 15.58 ; 2 Co 6.5ss, 11.22-27, Tg 5.4; 1 Tm 5.18; Gn 2.15).
  • Essa experiência nos leva a:
  • Concretizar nossos dons e ministérios como trabalho a serviço do Reino de DEUS, compartilhando com os outros a fé em Jesus Cristo como Senhor, Salvador e Libertador (Mt 25.14-30; 1 Co 12.6-7; Rm 12.3-8; Ef 4.7-16; Is 9.1-6; Mc 10.42- 43);
  • Colocarmo-nos a favor de relações justas entre empregadores e empregados, estando ao lado daqueles que são explorados em seu trabalho e daqueles que nem sequer conseguem trabalhar (Jr 22.13-19; Dt 24.14-15; Is 65.21-23; Am 2.6- 7, Mt 25.40).

Seção III – Usa ferramentas e métodos adequados

 Na experiência do trabalho no Reino de DEUS, vamos descobrindo a necessidade de ferramentas apropriadas para a sua execução. Na Igreja e na comunidade, hoje, encontramos novos desafios que exigem ferramentas adequadas. Uma delas, por exemplo, é a participação de todos os membros da Igreja, homens e mulheres, nos diferentes níveis de decisão (At 16.9-10; At 13.1-3; Ef 4.1ss).

Seção IV – Situações nas Quais a Acontece a Missão

  • A missão acontece na promoção da vida e do trabalho:
  • Para que haja vida, são necessários comunhão e reconciliação com DEUS e o próximo, direito à terra, habitação, alimentação, valorização da família e dos marginalizados da família, saúde, educação, lazer, participação na vida comunitária, política e artística, e preservação da natureza (At 2.42; 2 Co 5.18- 20; Jo 10.10, 15.5; I Jo 1.7);
  • Para que haja trabalho, é necessário haver humanização do trabalho, melhor distribuição da riqueza, organização e proteção do trabalhador, segurança, valorização, oportunidade para todos de salários e empregos (Êx 23.12-13, Jr 23.12; Lv 19.13-14, 25.35-38; Dt 24.14-15; Sl 72).

Seção V – Os Frutos Do Trabalho Na Missão De Deus

  • Colhemos a nova vida em Cristo como fruto do trabalho de DEUS em nós, por meio de nós e do mundo (Mt 12.33, 13.8, 23, 7.16-17; Jo 15.12-16).
  • Esta nova vida se expressa:
  • Na descoberta do novo relacionamento com DEUS e com os outros (Mt 22.36-40);
  • Na redescoberta contínua do sentido pleno da vida em nosso compromisso com a vontade de DEUS na História (Mt 6.10; Mc 3.35; Jo 4.34, 6.40);
  • No crescimento — em nós, entre nós e no mundo — da presença do Reino e de suas manifestações de amor, justiça, paz, respeito, sustento mútuo, liberdade e alegria (Gl 5.22-25; Mt 13.33; Rm 14.17; l Co 4.20).

Seção VI – Esperança e Vitória Na Missão de Deus

  • Nosso trabalho tem sua raiz e força na confiança de que DEUS está conosco, vai à frente e é a garantia da concretização do Reino de DEUS no presente e no porvir.
  • Ainda que as forças do mal e da morte lutem para dominar o nosso mundo, nossa esperança reside naquele que as venceu, Jesus Cristo, que tornou reais a ressurreição e a vida eterna. A vitória da vida já pode ser percebida na luta que travamos contra as forças da morte, pois já temos os primeiros frutos do Reino (primícias ) que nos nutrem e nos levam a preservar na caminhada orando “VENHA O TEU REINO” (Êx 3.7-15; Mt 28.20; Sl 2; Rm 8.37-39; Gl 5.5; Ef 4.4; l Co 15.55-58).

  

 

Título II – Plano para as Áreas de Vida e Trabalho

 

  • Apresentamos, a seguir, o plano específico para cada área de vida e trabalho da Igreja.
  • Missão é a construção do Reino de DEUS, sob o poder do ESPÍRITO SANTO DE DEUS, pela ação da comunidade cristã e de pessoas, visando ao surgimento da nova vida, trazida por Jesus Cristo, para a renovação do ser humano e das estruturas sociais, marcados pelos sinais da morte.

Seção I – Área de Ação Social

  • A ação social da Igreja, como parte da missão, é nossa expressão humana do amor de DEUS.
  • É o esforço da Igreja para que na Terra seja feita a vontade do PAI. Isso acontece quando, sob a ação do ESPÍRITO SANTO DE DEUS, nos envolvemos em alternativas de amor e justiça que renovam a vida e vencem o pecado e a morte, conforme a própria experiência e vida de Jesus Cristo.
  • Objetivos:
  • Conscientizar o ser humano de que a sua responsabilidade é participar na construção do Reino de DEUS, promovendo a vida, num estilo que seja acessível a todas as pessoas.
  • Cooperar com a pessoa e a comunidade a se libertar de tudo quanto as escraviza.
  • Participar na solução de necessidades pessoais, sociais, econômicas, de trabalho, saúde, escolares e outras fundamentais para a dignidade humana. Propugnar por mudanças estruturais da sociedade que permitam a desmarginalização social dos indivíduos e das populações pobres.
  • Campo de Atuação: A Igreja cumpre a sua missão na área de ação social, atuando nas seguintes ocasiões:
  • Em qualquer situação onde a opressão e a morte negou a realidade da vida com a qual DEUS comprometeu desde o começo do mundo;
  • As estruturas sociais que se tornaram obsoletas e desumanizantes, opressoras e injustas;
  • Na pessoa visando à restauração da sua integridade e do seu ambiente de vida;
  • Nos sofrimentos humanos, participando de soluções para sua superação;
  • Nos conflitos humanos, buscando promover a paz, combater a guerra e toda a violência;
  • Na educação integral da pessoa.
  • Meios de Atuação:
  • Exercer a justiça e o amor, como sinais da vinda do Reino de DEUS;
  • Prática dos princípios manifestados no Credo Social da Igreja;
  • Conhecer a Igreja, especialmente a igreja local, descobrir suas possibilidades e seus dons e valorizar seus ministérios para alcançar a participação total do povo na missão de DEUS (1 Co 12.1-30; Ef 4.5);
  • Conhecer o bairro, a cidade, o campo, o país, o continente, o mundo e os acontecimentos que os envolvem, por que, como ocorrem e suas conseqüências. Isso inclui conhecer a maneira como as pessoas vivem e se organizam, são governadas e participam politicamente, e como isso pode ajudar ou atrapalhar a manifestação da vida abundante;
  • Apoiar todas as iniciativas que preservem e valorizem a vida humana (1 Sm 2.1-10; Lc 1.46-55);
  • Denunciar todas as forças e instrumentos que oprimem e destroem a vida humana (Sl 82, 42.1-9, 49.1-6, 50.4-11, 52.13-53.12; Is 1.17, 58.6-7, 61.1-3, 65.20-23; Tg 5.1-6);
  • Perseverar e zelar no exercício da ética cristã como princípio de toda ação social, principalmente nas relações político-econômicas;
  • Estimular o desenvolvimento de uma cidadania responsável e o preparo para maior participação nas estruturas e processos de decisões;
  • Criar estruturas e instrumentos que visem ao desenvolvimento da consciência nacional para promoção dos discriminados e marginalizados: o negro, o índio, a mulher, o idoso, o menor, deficientes, aposentados e outros;
  • Promover e praticar uso racional e sadio do lazer;
  • Empenhar-se pela “liberdade de expressão legítima de convicções, religiosas, éticas e políticas” conforme preceitua o Credo Social ( IV , 4c);
  • Apoiar, incentivar e participar das iniciativas em defesa da preservação do meio-ambiente;
  • Estimular o uso dos meios de comunicação e demais recursos das igrejas locais, como instrumentos de esclarecimento quanto aos males sociais, como a exploração da mulher e do sexo, dos jogos de azar e loterias, bebidas alcoólicas e o fumo, que contribuem para a destruição da saúde física, mental e espiritual do ser humano e da família;
  • Identificar-se com o povo das periferias em seus problemas e lutas empenhando-se em ajudá-los a se unir em comunidades de reflexão sobre a Palavra de DEUS, de ajuda mútua, e de ação libertadora em seu próprio favor, pela descoberta de suas próprias possibilidades e direitos.

Seção II – Área de Comunicação Cristã

  • Comunicação Cristã, como parte da missão, é o processo de transmissão da mensagem do Evangelho de Jesus Cristo, pelos veículos da comunicação social, visando à transformação da pessoa e da sociedade segundo as exigências do Reino de DEUS.
  • Objetivos:
  • Despertar a Igreja e estimulá-la, em todas as suas áreas, a usar os meios da comunicação social, como veículos de divulgação, propagação e efetiva realização da Missão;
  • Orientar a Igreja, em todas as suas áreas, quanto ao uso das comunicações sociais;
  • Conscientizar a população sobre o uso dos meios de comunicação de massa, esclarecendo-lhe os aspectos positivos e negativos dos mesmos, e como afetam a própria concepção da vida;
  • Produzir ou fazer produzir o material de comunicação social necessário aos programas e atividades da Missão;
  • Atender às solicitações de prestação de serviço, dentro das prioridades da Igreja, em todos os setores de sua atuação;
  • Criar ou estimular a criação de programas de comunicação social, especialmente em áreas carentes da presença evangelizante da Igreja.
  • Campos de Atuação: a Igreja cumpre a sua missão na área de Comunicação Cristã atuando nos seguintes campos:
  • Na totalidade da sociedade;
  • Nos veículos principais da comunicação social, imprensa rádio, TV, editoras, cinema e outros;
  • Na Imprensa cristã;
  • Nas áreas de comunicação das instituições da Igreja;
  • Nos Presbiteratos.
  • Meios de Atuação: A Igreja cumpre a sua missão na área de Comunicação Cristã usando os seguintes meios:
  • Desenvolvimento da Imprensa cristã como agência publicadora e divulgadora no contexto da Missão;
  • Dinamização do Expositor Cristão como instrumento da unidade, formação e comunicação, visando ao envolvimento da Igreja na Missão;
  • Dinamização das revistas da Universidade da Igreja e outros periódicos oficiais, como veículos de preparação para a Missão;
  • Pesquisas para uma contínua avaliação do material didático usado na Igreja, a fim de manter o equilíbrio entre as necessidades do povo cristão e as diretrizes e ênfases bíblico-teológicas do Plano para a Obra da Igreja;
  • Pesquisa para conhecer a realidade do povo em cada Episcopado;
  • Pesquisa entre o povo cristão, visando a conhecer sua realidade e potencialidade;
  • Aproveitamento do Instituto Cristão de Ensino Superior e outras instituições de ensino, para a produção de recursos audiovisuais e treinamento de obreiros na área de comunicação social, na medida de suas possibilidades;
  • Organização de um cadastro de todas as pessoas da Igreja que trabalham nos meios de comunicação social;
  • Preparo de pessoas para a utilização dos meios de comunicação social, como instrumento da Missão;
  • Organização de um cadastro dos meios de comunicação que estão sendo utilizados pela Igreja, relacionando-os;
  • Utilização de Departamento de Imprensa junto ao Primado e a presidência do Episcopado, para divulgar pronunciamentos e informações oficiais da Igreja;
  • Utilização de espaços disponíveis em veículos de comunicação social para divulgação de matérias e assuntos da Igreja;
  • Municiamento da igreja local com sugestões e idéias para atividade da comissão de comunicação local;
  • Dinamizar a atividade musical, inclusive instrumental, como veículo de comunicação na adoração, proclamação, testemunho e serviço.

Seção III – Área de Educação

  • A Educação, como parte da Missão, é o processo que visa oferecer à pessoa e à comunidade uma compreensão da vida e da sociedade, comprometida com uma prática libertadora, recriando a vida e a sociedade segundo o modelo de Jesus Cristo e questionando os sistemas de dominação e morte, à luz do Reino de DEUS.

Subseção I – Educação Cristã

  • A Educação Cristã é um processo dinâmico para a transformação, libertação e capacitação da pessoa e da comunidade. Ela se dá na caminhada da fé e se desenvolve no confronto da realidade histórica com o Reino de DEUS, num comprometimento com a missão de DEUS no mundo, sob a ação do ESPÍRITO SANTO DE DEUS, que revela Jesus Cristo segundo as Escrituras.
  • Objetivos:
  • Proporcionar a formação cristã da pessoa em comunidade, levando-se em consideração as diversas fases de seu desenvolvimento;
  • Preparar o cristão a viver no Espírito de DEUS nas suas relações, anunciar o Evangelho e cumprir seu ministério no mundo;
  • Ajudar a comunidade a saber o que é e o que significa sua situação humana, a partir do indivíduo que integra o processo social;
  • Levar os cristãos a se integrarem na prática missionária à luz do Evangelho e da realidade social.
  • Campo de Atuação: A Igreja cumpre sua missão na área de Educação Cristã, atuando nos seguintes campos:

 

  • No lar;
  • Na igreja local;
  • Nas instituições de Ensino da Igreja, Escolas Oficiais do Estado e Universidades, grupos comunitários;
  • Na sociedade.

 

  • Meios de Atuação: A Igreja cumpre sua missão na área de Educação Cristã, usando os seguintes meios:
  • Criação de instrumentos de análise da realidade social e da Bíblia, de modo a permitir uma compreensão cristã da pessoa e da história para o cumprimento da Missão;
  • Adequação dos instrumentos que favorecem a Educação Cristã na igreja local à luz do Plano para a Obra da Igreja (Universidade da Igreja, Escola Dominical, sociedades, pregação, liturgia, vida comunitária);
  • Revisão do estilo de vida da família, adequando-o ao exercício da Missão;
  • Organização de grupos comunitários para estudo (conforme 4.1), e ação comunitária;
  • Educação Cristã abrangente nas escolas da Igreja e ensino religioso nas escolas oficiais e da Igreja;
  • Classes permanentes de catecúmenos, preparando-os para a Missão;
  • Cursos visando à orientação de pais e testemunhas para batismo de crianças;
  • Cursos visando à orientação de noivos para o casamento;
  • Dinamização da organização e atividades do setor de laicato, visando à Missão;
  • Criação de serviços de apoio e sustentação cristã do jovem universitário;
  • Incentivo às atividades criativas especiais e às expressões artísticas relacionadas com a Missão;
  • Desenvolvimento de uma nova hinologia engajada na vida e missão da Igreja;
  • Funcionamento de Seminários Regionais Teológicos como centros de formação e enriquecimento bíblico, doutrinário e teológico dos professores e obreiros de Educação Cristã da Universidade da Igreja, e formação do professor de ensino religioso nas escolas públicas e instituições da Igreja;
  • Estímulo da consciência da Igreja ao cumprimento do compromisso de sustentação financeira da Missão;
  • Desenvolvimento de novas formas de Educação Cristã.

Subseção II – Educação Teológica

  • A Educação Teológica é o processo que visa à compreensão da história em confronto com a realidade do Reino de DEUS, à luz da Bíblia, como instrumento de reflexão e ação para capacitar o povo de DEUS, irmãos e sacerdotes, para a Vida e Missão numa dimensão profética.
  • Objetivos:
  • Criar instrumentos para a reflexão teológica que propiciem a ação pastoral de todo o povo de DEUS;
  • Preparar Presbíteros-Pastores, bem como leigos para a Missão;
  • Capacitar o Presbítero-Pastor para o preparo dos membros com vistas à Missão;
  • Analisar os fundamentos bíblico-teológicos das doutrinas cristãs;
  • Preparar obreiros para exercer ministérios em áreas especiais;
  • Manter o Ministério Pastoral e Leigo atualizado para a Missão;
  • Aprofundar a pesquisa teológica no contexto brasileiro e mundial;
  • Integrar a Educação Teológica em um programa nacional de Educação Teológica.
  • Campo de Atuação: A Igreja cumpre sua missão na área de Educação Teológica atuando nos seguintes campos:
  • Faculdade de Teologia e outras instituições de ensino teológico;
  • Instituições de ensino secular da Igreja por meio de departamento de teologia, pastorais escolares e capelanias, cursos e outros;
  • Meios de Atuação: A Igreja cumpre sua missão na área de Educação Teológica, usando os seguintes meios:
  • Criação de instrumentos que aprimorem a compreensão da ação de DEUS (Bíblia e História) na sociedade brasileira;
  • Programa de atualização a fim de alcançar a todos os Presbíteros-Pastores;
  • Cursos de Bacharel em Teologia, Educação Cristã, e outros segundo as necessidades da missão;
  • Cursos básicos de Teologia;
  • Cursos de formação de obreiros especiais, em regime formal e não formal, visando às novas fronteiras na missão;
  • Cooperação com instituições de ensino teológico de outras Igrejas visando a interesses e serviços comuns.

Subseção III – Educação Secular

  • É o processo que oferece formação melhor qualificada nas suas diversas fases, possibilitando às pessoas desenvolvimento de uma consciência crítica e seu comprometimento com a transformação da sociedade, segundo a Missão de Jesus Cristo.
  • Objetivos:
  • Capacitar a comunidade para cooperar no processo de transformação da sociedade, na perspectiva do Reino de DEUS;
  • Ser a instituição educacional agente para atuar na sociedade na perspectiva do Reino de DEUS;
  • Apoiar todas as decisões que promovam a vida, denunciar e combater todas as ações que destruam a vida, respeitado o direito estabelecido por DEUS do Estado constituído defender seu povo;
  • Responder às necessidades do povo pela criação de escolas em áreas geográficas em desenvolvimento e em áreas carentes;
  • Propiciar possibilidades de estudos a alunos carentes;
  • Deixar claro o chamado de Jesus Cristo para o comprometimento da fé num espírito não-sectarista.
  • Campo de Atuação: A Igreja cumpre a sua missão na área de Educação Secular, atuando nos seguintes campos:
  • Na comunidade, sobretudo nas áreas carentes;
  • Nas instituições de ensino em todos os graus;
  • No processo de reformulação do sistema educacional do país;
  • Nos órgãos educacionais da Igreja.

 

  • Meios de Atuação: A Igreja cumpre a sua missão na área de Educação Secular, usando os seguintes meios:
  • Estabelecimento de programas para as atividades educacionais da Igreja, inclusive de suas instituições, com base em filosofia educacional coerente com a missão por ela aprovada;
  • Adequação dos currículos de curso à filosofia educacional da Igreja;
  • Estabelecimento de pastorais escolares nas instituições;
  • Desenvolvimento de sistemas de bolsas que atendam alunos carentes e projetos de interesse da Missão;
  • Capacitação e integração do pessoal da Escola na Missão;
  • Preparo de pessoal qualificado para exercício das diversas funções docentes e administrativas nas instituições da Igreja.

Seção IV – Área de Ministério Cristão

  • Ministério Cristão, como parte da Missão, é serviço de todo o povo a partir do batismo e da vocação divina. O cumprimento da Missão, em todas as áreas da existência e da sociedade, sob ação do ESPÍRITO SANTO DE DEUS, requer preparo oferecido pela Igreja.
  • Ministério Cristão é também exercido de modo especial por pessoas a quem DEUS chama, dentre os membros da Igreja, como Presbíteros-Pastores, para a tarefa de edificar, equipar e aperfeiçoar a comunidade da fé, capacitando-a para o cumprimento da Missão (Ef 4.11-12).
  • A Igreja afirma a existência de dons para o exercício de outros ministérios tais como capelanias, serviços sociais, evangelistas, músicos, etc., cabendo-lhe perceber e definir prioridades e facilitar o desenvolvimento e uso desses dons (Ef 4.7-13; Rm 12.12-14; 1 Co 12,13 e 14; 1 Pe 4).
  • Objetivos:
  • Proporcionar ao cristão a oportunidade de confrontar-se com o mundo como fermento, sal e luz, para a construção do Reino de DEUS;
  • Proporcionar o encontro da pessoa com DEUS e o reencontro da Igreja com sua vocação e missão;
  • Desenvolver a consciência de que, pelo batismo, profissão de fé ou confirmação, o cristão se torna membro do corpo de Cristo; por isso, participa da missão;
  • O Ministério Pastoral visa a converter a capacitação e desenvolvimento da vida e ação dos membros da Igreja em todas as áreas de existência.

 

  • Campo de Atuação: A Igreja cumpre a sua missão na área de Ministério Cristão, atuando nos seguintes campos:
  • Na sociedade;
  • Na Igreja em geral;
  • Na igreja local;
  • Nas instituições da Igreja;
  • Nas áreas de ministérios especiais, particularmente com jovens, juvenis e crianças;
  • No exercício profissional consciente de estar operando os sinais do Reino de DEUS.
  • Meios de Atuação: A Igreja cumpre a sua missão na área de Ministério Cristão, usando os seguintes meios:
  • A comunidade cristã em geral e o cristão em particular, encarnando o Reino de DEUS nas mais diferentes situações humanas;
  • Currículo de Escola Dominical voltado para o preparo missionário dos leigos;
  • Pastorais, proclamações, documentos e outros que orientem a ação dos membros da Igreja, respondendo a situações concretas;
  • Cursos, encontros apropriados e literatura específica para o preparo do leigo, leiga, Presbítero-Pastor, para o exercício dos diferentes ministérios;
  • Comunicação Social: televisão, rádio, jornal e telefone, etc.
  • Cursos e programas de educação continuada, visando à capacitação do laicato, organizados pela Faculdade de Teologia e Seminários Regionais, tendo em vista melhor desempenho no cumprimento da missão;
  • Celebração do culto como forma de adoração, testemunho e serviço.

Seção V – Área de Evangelização

  • A evangelização, como parte da Missão, é encarnar o amor divino nas formas mais diversas da realidade humana, para que Jesus Cristo seja confessado como Senhor, Salvador, Libertador e Reconciliador. A evangelização sinaliza e comunica o amor de DEUS na vida humana e na sociedade pela adoração, proclamação, testemunho e serviço.
  • Objetivos:
  • Confrontar o ser humano e as estruturas sociais com Jesus Cristo e o Reino por Ele proclamado, a fim de que as pessoas e a sociedade o confessem como Senhor, Salvador e Libertador, e as estruturas sejam transformadas segundo o Evangelho;
  • Libertar a pessoa e a comunidade de tudo que as escraviza e conduzi-las à plena comunhão com DEUS e o próximo.
  • Campos de Atuação: A Igreja cumpre sua Missão na área de Evangelização, atuando nos seguintes campos:
  • Pessoas, grupos e estruturas;
  • Lares e instituições;
  • Zona rural, suburbana e urbana;
  • Grupos periféricos, marginalizados e minorias étnicas (pobres, menores, presos, prostitutas, idosos, toxicômanos, alcoólatras e outros).
  • Meios de Atuação: A Igreja cumpre a sua Missão na área de Evangelização, usando os seguintes meios:
  • Presença de Jesus Cristo, por meio do cristão e da comunidade cristã, nas mais diferentes situações da vida humana;
  • Conscientização e preparo do cristão para o exercício da Missão;
  • Estudos bíblicos com pessoas capacitadas;
  • Literatura adequada, visando ao preparo e à tarefa do evangelista;
  • Pontos missionários locais;
  • Campos missionários regionais e gerais, com envolvimento das igrejas locais;
  • Atividades e programas regulares da igreja local;
  • Culto comunitário e familiar;
  • Serviço de capelania em hospitais, prisões, escolas e outros;
  • Visitação nos lares;
  • Realização de séries de pregações, que incluam o preparo, a realização e o acompanhamento dos que se mostrarem interessados na nova vida em Cristo;
  • Igreja local como comunidade solidária em situações de crise;
  • Veículos de comunicação social;
  • Universidade da Igreja.

 

 

Seção VI – Área de Patrimônio e Finanças 

  • Patrimônio e finanças, como parte da Missão, são todos os recursos materiais, como móveis, imóveis, veículos e financeiros a serviço da Missão, pela ação da Igreja (Ag 1.9; Ne 5 ).
  • Objetivos:
  • Providenciar e organizar os recursos patrimoniais e financeiros para o cumprimento da missão (1 Rs 5.15-9.25);
  • Administrar o patrimônio e os recursos financeiros da Igreja, mantendo-os a serviço da missão (1 Rs 4);
  • Desenvolver programas de capacitação de recursos, visando às exigências da missão dentro da perspectiva bíblica da mordomia cristã (Lv 25; 1 Co 9.7-8);
  • Desenvolver uma política cristã de pessoal (serventuários e outros), à luz do Credo Social da Igreja (Sl 82; 2 Sm 8.15; Lv 19.9-14);
  • Observar os princípios da ética cristã no uso do patrimônio e finanças (Ex 23.1- 9; Pv 2.6-9);
  • Manter todos os recursos patrimoniais e financeiros em nome da Associação da Igreja e em regularidade legal.

 

  • Campo de Atuação: A Igreja cumpre a sua missão na área de Patrimônio e Finanças, atuando nos seguintes campos:
  • Primado, Episcopado e Presbiterato;
  • Órgãos e instituições gerais, regionais e locais;
  • Programas e atividade da Igreja.
  • Meios de Atuação: A Igreja cumpre a sua missão na área de Patrimônio e Finanças, usando os seguintes meios:
  • Utilização do patrimônio da Igreja, inclusive os das instituições, a serviço da Missão, extensiva à comunidade em que a Igreja ou instituições estão localizadas;
  • Desenvolvimento de programas de conservação e reparos das propriedades;
  • Utilização das dependências dos templos e outros prédios para proveito da comunidade, na formação de creches, jardins de infância, capacitação profissional e outros;
  • Aquisição de novas propriedades e aceitação de doações e legados patrimoniais, sem ônus e encargos, para a Missão;
  • Participação generosa nas contribuições na perspectiva bíblica da mordomia cristã, visando à manutenção e ao avanço da missão, incluindo ofertas, dízimos voluntários, legados e outras formas de contribuição (At 5.4-34; Fp 4.15-19);
  • Aplicação responsável dos recursos financeiros de acordo com os objetivos da Missão (At 4.35);
  • Busca e aplicação de recursos externos oriundos das igrejas cooperantes, de outras agências e da comunidade e dos poderes públicos, para uso na Missão;
  • Construções para uso polivalente, de acordo com as exigências da Missão;
  • Valorização dos ministérios especializados, mediante o sustento dos respectivos obreiros, inclusive de leigos, pelas igrejas locais (I Co 9.1-15; Mt 10.9-10; Dt 25.4).

 

 

Seção VII – Área de Promoção da Unidade Cristã

 A busca e vivência da unidade da Igreja, como parte da Missão, não é optativa, mas uma das expressões históricas do Reino de DEUS. Ela procede do SENHOR JESUS CRISTO e é realizada por meio do ESPÍRITO SANTO DE DEUS, pela rica diversidade de dons, ministérios, serviços e estruturas que possibilitam aos cristãos trabalhar em amor na construção do Reino de DEUS até a sua concretização plena (Jo 10.17; 17.17-23; 1 Co 1.10-13; 12.4-7, 12 e 13; Ef 4.3-6; Ef 2.10-11).

  • A Igreja entende que a busca pela unidade cristão deve ser cotidiana ao nosso caminhar em Jesus Cristo, com espírito de mansidão e paciência, reconhecendo que muitas comunidades cristãs estão ou já apostataram da Fé, desviando-se do Caminho, motivo pelo qual a união cristã está intimamente ligada ao arrependimento de obras mortas pela humildade em deixar doutrinas pagãs ou falsas religiosidades, encobertas pela forma de caridade, mas negando o poder de DEUS em suas manifestações sobrenaturais, cheias de graça e de verdade.
  • Este sentido, a busca pelo avivamento com derramamento de poder de DEUS é uma sede constante do cristão que reconhece a necessidade de estar intimamente ligado ao PAI pelo seu Filho Jesus Cristo, deixando soberbas, orgulhos sectaristas e culturais, de forma a alcançar a libertação espiritual no SENHOR JESUS CRISTO e exercitar a máxima capacidade de amar a DEUS e ao próximo, negando-se a si mesmo, mas enchendo-se do ESPÍRITO SANTO DE DEUS, sem jamais negar a multiforme ação do Espírito de DEUS e ser atento e sensível para ouvir a sua voz.
  • Objetivos:
  • Cumprir a ordem do SENHOR JESUS CRISTO, “que todos sejam um para que o mundo creia”;
  • Fortalecer o sistema de conexão por meio de um processo dinâmico de interrelacionamento da Igreja em termos locais, regionais e gerais.
  • Cultivar a identidade histórica do cristianismo como contribuição para a unidade do Corpo de Cristo;
  • Dentro da unidade cristã, cultivar a riqueza da diversidade de dons e serviços cristãos, na unidade do Espírito ( 1 Co 12.4-11; Ef 4.3-6; Rm 12.1);
  • Dar continuidade aos esforços e à participação da Igreja em favor da unidade cristã, bem como incentivo à participação e cooperação da Igreja em sinais visíveis que enriqueçam a unidade cristã;
  • Campo de Atuação: A Igreja cumpre sua missão na Área de Unidade Cristã, atuando nos seguintes campos:
  • Áreas de ação mencionadas neste Plano;
  • Outras Igrejas, organizações e movimentos cristãos;
  • Comunidade local: em atividades de alcance social e comunitária nas quais Igrejas ou grupos de diferentes confissões encontram uma missão comum.
  • Meios de Atuação: A Igreja cumpre sua missão na área de Unidade Cristã, usando os seguintes meios:
  • Divulgação e análise, nos órgãos de comunicação;
  • Desenvolvimento de uma teologia que fortaleça nossa identidade cristã, visando a uma prática pastoral comum e uma abertura para a unidade dos cristãos;
  • Ação permanente do Conselho Apostólico, dos Bispos, dos Presbíteros-Pastores, dos leigos em geral, na direção da unidade da Igreja;
  • Continuação e fortalecimento da integração da Igreja;
  • Participação em organizações cristãs nacionais, continentais e mundiais, visando a uma ação profética comum;
  • Formação de consciência de uma identidade cristã, a nível comum na Missão com outros grupos cristãos, respeitadas as diversidades de dons e estruturas;
  • Diálogo com as demais Igrejas existentes no Mundo, para conhecimento mútuo e busca de caminhos de aproximação;
  • Declarações oficiais, definições doutrinárias e pastorais emanadas do Conselho Apostólico.

 

  • Os organismos integrantes de Administração Superior, Intermediária e Básica elaboram os Planejamentos e Programas Nacionais, Regionais e Locais, respectivamente, com base no Plano para a Obra da Igreja, consubstanciado-os em seus níveis correspondentes.

 

Título III – Das Disposições Finais

  • O Plano para a Obra da Igreja da Universal Assembleia entra em vigor na data da sua aprovação.

Presbítero Jailson Mário dos Santos Pereira, servo de Deus e apóstolo de Jesus Cristo

Presidente da Universal Assembleia da Santa Aliança Cristã